Arquivo da tag: CCBB BH

Entre a arte e a mediocridade

“Ao realizar a mostra, o Centro Cultural Banco do Brasil possibilita o contato da sociedade brasileira com obras-primas de grandes nomes da história da arte e reafirma seu comprometimento com a formação de público e com o acesso cada vez mais amplo à cultura” (Centro Cultural Banco do Brasil)

Que a proposta dos ditos Centros Culturais tenha como objetivo promover o “acesso” à cultura e, por sua vez, sensibilizar o cidadão comum com a experiência, ok, é um objetivo nobre, mas como fazer?

A pergunta poderia ter várias respostas, das mais óbvias às mais complexas, já que há várias maneiras de proporcionar tais experiências. Infelizmente, nem todo Centro Cultural é capaz de proporcioná-las, sendo alguns capazes, inclusive, de proporcionar não-experiências como é o caso do Centro Cultural Banco do Brasil de Belo Horizonte.

Exposição Kandinsky no CCBB Belo Horizonte Imagem do site do CCBB Belo Horizonte da exposição Kandinsky: Tudo começa num ponto

Digo isso pois o espaço por si só é uma verdadeira contradição. Já visitei, pelo menos, três exposições ali. Em quase todas presenciei problemas com a “equipe” responsável por monitorar os visitantes. Não sei o que são, nem como são treinados e tampouco sei qual o objetivo do comportamento destes funcionários, que mais parecem cães-de-guarda, dando a impressão de protegerem verdadeiros tesouros do perigo oferecido por possíveis vândalos, que são os visitantes.

Me atenho à exposição que “tentei” visitar hoje, “Kandinsky: Tudo começa num ponto”, em cartaz de 15/04 até 22/06/2015. Confesso ainda não ter tido a oportunidade de conhecer o trabalho do artista. Acho que é para isso que servem as exposições de arte, para que pessoas como eu possam conhecer o trabalho de outras. Uma proposta nobre, mas com um modus operandi, no mínimo, discutível.

De início, cerca de 40 minutos de espera em uma fila. Ao chegar no ponto-de-partida da exposição, um rapaz vestindo o uniforme de uma empresa de comunicação chamou os visitantes para dar as orientações, a saber:

  • não é permitido portar garrafas d’água;
  • não é permitido mascar chicletes;
  • não é permitido atender celulares dentro das galerias;
  • não é permitido filmar (mas fotografar sem flash, sim);
  • não é permitido ultrapassar o limite que separa a obra do visitante.

Logo no início, notei a preocupação excessiva dos funcionários responsáveis por monitorar os visitantes durante a exposição. Vigiando para que os mesmos não tocassem ou se aproximassem das obras. Estava eu acompanhado de minha esposa, observando e conversando sobre o assunto. Não posso dizer pelos demais visitantes, mas quando compareço a uma exposição de arte gosto de observar a fundo, absorver as informações contidas nas obras, perceber a técnica utilizada, me apropriar do conhecimento oferecido pelo artista. Aprendi isso empiricamente, quando visitei, pela primeira vez, a Bienal das Artes no Ibirapuera, em São Paulo, em 1996. Desde então, é assim que visito exposições de arte. Se isso não for possível, prefiro não visitar. Até hoje, nunca fui acusado de danificar nenhuma peça com meus olhos. Enfim…

Ao notar dois pequenos quadros do artista que estavam com seus respectivos vidros quebrados (e justamente tratavam-se de óleo sobre vidro), veio-nos a curiosidade do porquê não haviam trocado o vidro e os expuseram quebrados mesmo. Seria a própria tela o vidro em questão? Ficamos curiosos e tentei aproximar os olhos das referidas telas quando surge uma funcionária informando que eu estava invadindo o limite obra X visitante. Olhei meus pés e eles estavam atrás da faixa, respondi à referida que não estava invadindo. Minha esposa ficou indignada e eu acabei ficando também. Claro que respondemos à funcionária e a mesma não se deu por satisfeita, foi atrás de nós e insistiu que respeitássemos a regra e que ela só estava fazendo o trabalho dela. Minha esposa ainda perguntou se o trabalho dela era tirar o prazer do visitante e a mesma ainda insistiu em seus argumentos quando pedi a minha esposa que não mais dirigisse a palavra à funcionária em questão e disse à referida: “você já deu seu recado, ok? Obrigado e boa noite”. Claro que a agradeci por ela ter cumprido a determinação que o rapaz no início se esqueceu de informar aos visitantes:

  • não é permitido ter qualquer tipo de prazer ao observar as obras em exposição.

Após o episódio, confesso ter perdido a vontade de continuar ali, acabei não vendo o restante do acervo, saímos. Na recepção, minha esposa procurou a pessoa responsável pelo setor e fez a devida reclamação. A funcionária ainda tentou explicar que os funcionários apenas cumprem ordens, no que minha esposa perguntou: “mas o olhar é capaz de danificar a obra?”, a funcionária não soube responder. Sim, eu estava apenas olhando, com os braços atrás da cintura, com uma mão segurando o punho do outro braço. Nesse instante, outro funcionário ainda argumentou: “é que já passaram umas 10 mil pessoas pela exposição, os funcionários estão estressados” (10 mil em três dias?!?). Enfim, argumentos que impossibilitam qualquer continuidade do diálogo. Nesse momento, eu já estava do lado de fora do prédio, jurando a mim mesmo não colocar mais meus pés naquele lugar novamente.

A curiosidade persiste e me remete à questão colocada no início do texto. De que forma o CCBB Belo Horizonte busca aproximar o cidadão comum ao mundo das artes com essa política medíocre e tacanha de cercear o visitante como se o mesmo fosse um vândalo em potencial? Alguém que aguardou 40 minutos na fila. Se essa é a forma que insistem em tratar o visitante (e não é primeira vez que presencio tal situação) então não tenho o menor interesse em retornar a esse espaço que, aliás, logo na saída, enquanto aguardava minha esposa, ouvi um garoto conversando com um adulto. Dizia ele: “que lugar chato, não pode colocar nem a mão na parede”.

Pelo visto, minhas dúvidas permanecerão enquanto a arte permanecer apenas como vitrine do CCBB de Belo Horizonte. Que diria Wassily Kandinsky sobre este episódio? Talvez o mesmo que eu: lamentável.