Arquivo da tag: música

O “Mustang” e “O Martelo” de Carlos Lopes ou depois de quebrar a “Dorsal”

“Recordar é viver”, diz o ditado e quando recordo de algo recorro à rede para conferir a quantas anda esse algo, principalmente quando lembro de algumas bandas que curtia na minha adolescência. Corro pra rede pra saber se elas ainda existem, o que estão fazendo, se tem MP3 pra baixar e “relembrar” os tempos idos.

Dia desses me lembrei de uma banda dos tempos do thrash metal dos anos 80 chamada Dorsal Atlântica (nome curioso, não?). Procurei na rede por MP3, discografia ou algo parecido (já que não tenho nada dela no momento), achei praticamente toda a discografia, inclusive os dois álbuns que mais gosto: Antes Do Fim (1986) e Dividir E Conquistar (1988). Momento lembrança, foi bom poder recordar alguns riffs de guitarra, alguns trechos de letras e comecei a me questionar: por que Dorsal Atlântica não era uma banda como todas as outras?

Dorsal Atlântica - Guga, Carlos e Cláudio Lopes. Foto: Divulgação. Dorsal Altântica com o terceiro baterista, Guga, ao lado de Carlos Lopes e, atrás, Cláudio Lopes. Foto: DivulgaçãoSobre a banda, um trio inicialmente formado por Carlos “Vândalo” Lopes (vocal e guitarra), Cláudio “Cromagno” Lopes (baixo) e Hardcore (bateria), lançou o primeiro disco solo em 1986, o Antes Do Fim, as letras eram em português (este é um dos detalhes) e o som era, apesar da péssima gravação, algo muito bem elaborado. Vocal e instrumental casavam muito bem (mais um detalhe). Além disso, a banda tinha um respeito muito grande dos fãs, nunca escutei ninguém falar mal dela, com exceção da qualidade de gravação dos discos. Costumavam se referir a Dorsal Atlântica com muito respeito. Certa vez, em 1992, assisti a um show da banda (o único), no Move’s Bar, em Santo André/SP. Esse é outro caso a parte, era um espaço minúsculo para shows situado no andar de cima de uma padaria no centro da cidade. Achei interessante a postura do Carlos “Vândalo” e a forma como ele se dirigia ao público, uma postura séria e de muito respeito. Max Cavalera (nos tempos do Schizophrenia) também era assim. E o público retribuía da mesma forma. Dorsal Atlântica não era uma banda como todas as outras.

Nunca fui atrás pra saber mais sobre a banda, gostava daqueles dois discos, em especial duas faixas: Guerrilha (do Antes Do Fim) e Vitória (do Dividir e Conquistar). Mas agora, depois de ouvir novamente o som, depois de tanto tempo, achei o trabalho dela genial, algo inédito no metal brasileiro (nunca existiu outra igual). Ouça a faixa Violência É Real, do Dividir…, ela conta toda uma história, com começo, meio e fim. Você não encontra um trecho como esse em lugar algum: “Nascemos com a missão de fazer um sonho viver, mesmo com pessoas e pedras fechando nosso caminho. Faz-se necessário que não tenhamos nenhuma paz. Porque alma descansada não briga jamais” (faixa Vitória). E algo assim, para poder ser absorvido pelo público brasileiro, só estando em português. Mostrei o trecho a minha esposa, ela gostou tanto que o escreveu como dedicatória em um livro que iria dar de presente a um colega de trabalho. Comecei a me perguntar, por que a banda acabou (e isso foi em 2005)? O que deu errado?

Dei uma busca na rede para saber um pouco mais sobre a história da banda e o que ela havia feito enquanto eu estive ausente. Achei informações na Wikipédia, no Youtube e em diversos sites como este em que tem até um relato do próprio Carlos Lopes. Dorsal Atlântica foi uma banda incomum, mas com o mesmo destino de tantas outras. O caminho foi duro nesses quase 20 anos de existência. Dorsal Atlântica foi uma banda profissional com infra-estrutura amadora, apesar de ter mais de 10 trabalhos gravados. Soma-se também o fato de ter começado (tardiamente) a cantar em inglês. A proposta era ótima, mas, na minha opinião,  faltou uma maior reflexão sobre o que se havia construído até o Dividir E Conquistar. O fato é que a banda perdeu o bonde, que culminou no próprio fim e, pelo visto, é fato consumado.

Se morreu, que haja, ao menos, um obituário decente

Internet é, antes de tudo, um repositório de informações e, na minha opinião, isso é o mais importante, ela é um grande baú no qual pode-se achar de tudo. Apesar dessa rica possibilidade, não consegui encontrar informações precisas e concentradas sobre Dorsal Atlântica (bem como sobre seu fim). Encontrei algumas, mas informações desencontradas. Depois de um tempo, acabei achando um vídeo de uma entrevista recente com o Carlos Lopes, já mais velho, e pude então saber mais detalhes do que anda fazendo atualmente. Carlos tem uma banda chamada Mustang, que surgiu um pouco “antes do fim” do Dorsal, um rock n’ roll mais light, com algumas canções em português, nada a ver com a antiga banda, parece que Carlos resolveu esquecer o passado. “Um dia você acorda e decide que não rola mais”, disse nesta entrevista.

Achei o ex-Dorsal um tanto simpático, descolado, disse ele que é jornalista, gosta de literatura, comanda um programa de metal numa rádio on line, além da atual banda, enfim, vai vivendo depois de ter “quebrado a dorsal”. Recolhi os endereços virtuais que o mesmo citou: uma revista on line chamada O Martelo, a rádio Venenosa FM (na qual disse ter um programa de Metal) e o site da Banda Mustang. Fui conferir cada um deles e então pude. de fato, entender porque Dorsal Atlântica acabou e porque Carlos Lopes é e será um eterno underground, apesar do conteúdo profissional. Ninguém vive apenas de boas ideias e intenções, know how é fundamental no mundo dos negócios e ter uma banda profissional é estar no mundo dos negócios. Uma banda como Dorsal Atlântica, com a repercussão que teve, com a proposta que apresentou e com o que pôde mostrar durante sua existência, não merecia ter encerrado as atividades. Porém, a gerência da banda, por força das circustâncias, ficou muito na mão do próprio Carlos, e se você visitar os sites descritos acima, vai entender parcialmente porque Dorsal Atlântica acabou.

A internet hoje é um veículo de propaganda extremamente barato, é interativo e permite uma série de possibilidades que são bem pouco exploradas, principalmente por bandas mais antigas. Aliás, os músicos, de um modo geral, são os que menos sabem interagir na rede. Triste, porém, verdade e não é só no Metal, a inexperiência é percebida em todos os estilos e oriundos de diversos países. Eu me decepciono sempre que me aventuro nesta busca. Sites horríveis, navegação ruim, falta de coesão visual, arquitetura de informação deficiente, bem como o próprio conteúdo e, sobretudo, pouco aproveitamento das apps de mídia social. Na revista de Carlos Lopes, O Martelo, isso fica evidente.

No ambiente virtual não existe mídia alternativa, o paradigma se rompe quando uma plataforma oferece possibilidades multimídia e de interação. Não há mais a necessidade de fanzines, como existiam na mídia impressa. Acredito que, sabendo utilizá-las, não há porque uma banda encerrar as atividades, mesmo que as tenha encerrado. Mas, conteúdo e suporte são coisas que necessitam andar juntas e em sintonia. Stanislavski diz que “a arte está do detalhe”, mas se todos os detalhes estiverem fragmentados, então não haverá um conjunto. Não havendo um conjunto, a informação não será comunicada em totalidade. E o objetivo da arte não é comunicar?

Se a comunicação se dá a partir do conjunto da obra e internet é o suporte que sustenta o conteúdo, então ambos devem complementar-se. Deve haver coesão. O conteúdo é o principal, mas é o suporte visual que o conduz. É necessário ter equilíbrio para que o produto final seja adequado e legível ao visitante do site.

Em suma, é bem mais fácil ser profissional na rede, sendo independente ou não, muito embora o mercado queira criar meios de limitar esta independência. Apesar das tendências, a rede ainda é democrática, é cada vez mais orgânica, tem espaço para todos e não há necessidade de competição. Dorsal Atlântica, com o nome e o reconhecimento que tem por parte dos fãs, poderia ser independente, desde que soubesse utilizar melhor os recursos da rede e depender, cada vez menos, do mercado, que, de fato, é bastante tendencioso e injusto. Quem sabe Carlos Lopes, um dia, mude de ideia e resolva reconstituir Dorsal Atlântica, ainda que seja “depois do fim”.

Réquiem Lenitivo: contrabaixo, macinstosh, suicídio e temas afins

Conheci Venâncio na van que leva os professores de Campinas/SP para Salto/SP, na Instituição de Ensino Superior de lá, ele era recém contratado enquanto eu já estava entrando no segundo semestre na casa. Demorou alguns dias até trocarmos alguma ideia, soube que iria lecionar para cursos de Cinema e Radio e TV, em disciplinas ligadas a música. Tivemos um longo papo quando, certa noite, um outro colega de trabalho estava de carro e nos ofereceu uma carona de volta pra casa, havia também uma outra professora de teatro. Fora eu, todos eles eram estreantes naquela instituição. Nessa viagem pude conhecê-lo melhor. Me disse que era contrabaixista, tocou na Orquestra Sinfônica de Campinas, era mestre e doutorando pela Unicamp, na qual havia se graduado em música. Era professor na Faculdade Santa Marcelina, em São Paulo/SP e estava contente por ter encontrado outro empregador, disse que a grana estava curta. Fazia uns freelas, criava trilhas sonoras para teatro e cinema, dava aulas particulares de música etc. Chegando em Campinas, ofereci carona até a casa dele, que era caminho pra minha. Foi um papo agradável, gostei de tê-lo conhecido, mas o adverti de que aquela instituição tinha vários e vários problemas, apesar de dar transporte de ida e volta e pagar o salário direitinho.

Quando soube que eu, apesar de ter parado, já havia estudado contrabaixo acústico, há alguns anos, e tinha tido aulas com um ex-colega de orquestra dele, Venâncio prometeu me dar alguns métodos de contrabaixo que tinha em casa e não usava mais. Achei legal a ideia, quem sabe eu poderia, um dia, retomar os estudos. Foi também um dos responsáveis por eu ter aderido à plataforma Mac e ter, inclusive, adquirido um Macbook. Ela era aficcionado pela Apple e já trabalhava com Mac há uma década. Nos laboratórios do prédio onde lecionávamos havia somente macintoshes, o que ajudou na minha tomada de decisão. Nos víamos quase todos os dias e conversávamos, às vezes, no trajeto de ida e volta para o trabalho (com cerca de 40 minutos cada), eu sempre aprendia algo com ele (acho que é, ou pelo menos deveria ser, a função de todo ser humano nesta vida: aprender e evoluir).

Além do lado profissional, Venâncio era um bom conhecedor de vinhos, queijos e boa gastronomia. Ficou conhecido, na van, como um sujeito “sofisticado”, indicava marcas de azeites, queijos, vinhos e outros. E quando a conversa era no caminho de volta, servia de estímulo para que todos chegassem em casa com mais fome. Foram divertidas essas viagens, algumas das boas recordações que guardo desse período. Em uma delas, havia chovido e levei meu guarda-chuva (famoso entre os ex-colegas pela idade, hoje está com 21 anos). Por conta de um assunto que conversávamos, peguei o guarda-chuva e fingi carregar uma espingarda calibre 12 e disse: “tá vendo? Estou preparado, e é cano serrado”. Venâncio respondeu: “mas é pior ser cano serrado, o tiro sai com menos pressão”. Perguntei como ele sabia disso e ele respondeu: “porque eu tenho uma em casa”.

Certo dia, convidei Venâncio com sua esposa e enteado para almoçar em casa, havia preparado sushi e sashimi (hobby que pratico até hoje). Neste dia, fiquei conhecendo a família dele e os nossos respectivos filhos brincaram extremamente bem. Ele me trouxe alguns aplicativos para Mac e me deu alguns toques e dicas de como utilizá-lo. Já era fim de tarde quando sugeri tomarmos um vinho e ele disse: “Puxa, fica pra um outro dia, estou com mais de 60 provas pra corrigir das aulas em Itu, tenho que estar sóbrio pra encarar a ‘tarefa'”. Ele tinha razão, haja vista o sufoco que passou durante o semestre em que lecionou por lá. Tanto é que abriu mão das aulas, permancendo exclusivamente no campus de Salto. O vinho acabou, de fato, ficando para uma “próxima”, mas ficamos de combinar um outro encontro gastronômico, que não também não aconteceu.

Durante o segundo semestre do ano letivo, tivemos um período turbulento com bastante trabalho, atribulações e muito pouca motivação. O ambiente acadêmico estava bem ruim e Venâncio vinha faltando bastanteao trabalho, disse que andava passando mal devido a problemas na vesícula, estava indo ao médico e o humor dele já não era o mesmo, igual a mim, embora eu não tivesse nada envolvendo a saúde. A esposa dele enfrentava alguns problemas com o filho mais velho dela, que vivia com o pai, o que a fez passar uns tempos com o mesmo na cidade onde o garoto morava. Por conta disso, passei a dar carona a Venâncio mais vezes até sua casa, mas o contato entre nós havia reduzido aos assuntos cotidianos envolvendo o trabalho. E assim foi até o final do ano. Me lembro de ter ficado um tanto chateado com Venâncio, pois fui demitido da instituição no fim do ano  junto com cerca de 50 professores, sendo alguns destes no mesmo bloco em que lecionávamos e ele sequer foi capaz de dar um telefonema ou mandar um e-mail, enfim. Respeitei a decisão dele e nunca mais o vi.

Dois anos se passaram, mudei de cidade, de Estado e apesar de ainda manter contato com outros demitidos da referida instituição, a pessoa de Venâncio quase nunca era lembrada durante os papos. Porém, dia desses encontrei com um amigo em comum em Belo Horizonte/MG. Na verdade, mais amigo do Venâncio do que meu, ele foi nomeado professor em uma instituição pública de ensino superior em BH. Fazia muito tempo que não nos víamos. Este professor, aliás, também havia lecionado naquela instituição apenas por um semestre, um tempo antes de mim. Não aguentou e pediu demissão. Foi ele, na época, que indicou o emprego ao Venâncio.

Dentre os tantos assuntos que conversamos, o amigo disse: “pois é, vocês comentaram do Venâncio naquela época, que ele estava distante…”. De pronto comentei que tinha ficado chateado e tal e ele disse, “então, até comigo ele estava estranho também. Um dia fui até a casa dele, um pouco antes de se mudar, pra saber o porque do sumiço e ele disse com um olhar meio opaco: ‘não posso te atender agora porque estou jogando'” (ele jogava World of Warcraft e muito, por sinal). Ele disse que Venâncio se separou da esposa e se mudou para a cidade aonde os pais dele moravam, alugou uma casa e vivia sozinho, não recebia praticamente ninguém e, apesar de fazer tratamento contra depressão, não estava seguindo a medicação prescrita e passou o último ano praticamente de licença médica. Excluiu o perfil no Orkut e criou um outro fake, no qual postava, segundo meu amigo, umas coisas esquisitas, suicidas. Ele tentou se comunicar com Venâncio por esta via, mas o mesmo não respondeu. Não sei como era a relação dele com os pais e/ou familiares, mas pude perceber que os mesmos respeitaram o isolamento.

O fato é que, segundo o nosso amigo, Venâncio, em dezembro de 2009, um dia depois do aniversário, bebeu um vinho (certamente de boa qualidade), colocou um réquiem pra tocar, bem alto, carregou a espingarda calibre 12 de cano serrado e disparou um tiro contra o próprio rosto (me lembrei do final do filme Tropa de Elite). O incidente só foi percebido uma ou duas semanas depois pelos vizinhos, por conta do mau cheiro que vinha da residência. O amigo lembrou bem: “imagine a mãe dele, como deve ter ficado?”. A notícia abalou a todos, queriam descobrir a causa, algum culpado, mas quem pode julgar? Fico pensando se a permanência naquela instituição decrépita não contribuiu para a decisão de Venâncio, eu mesmo pensei em coisas um tanto macabras enquanto estive por lá. A vida do professor em instituições privadas atualmente está bastante complicada, salários cada vez menores, desrespeito e o medo constante de ser demitido, independentemente da competência. Aliás, quanto maior a titulação, maior o perigo de cair da “corda bamba”, ranços da famigerada era FHC. Seria esta a meritocracia reversa?

De minha parte, perdoei Venâncio por não ter me dado os “pêsames” quando perdi o emprego, certamente estava com problemas bem maiores que o meu.

P.S. Para proteger a identidade do protagonista, o nome foi alterado.